free website stats program

Entrevista a Peixe:Avião

Uma das bandas mais interessantes a sair do espectro nacional na última década, os Peixe:Avião rompem as regras com a sua mistura de música alternativa com elementos electrónicos e sons ambiente e estarão presentes no Festival Bons Sons, em Cem Soldos, realizado em parceria com a Rock N’ Heavy e destinado a celebrar a música portuguesa. Estivemos um pouco à conversa com a banda e foi este o resultado:

Boas! Antes de mais obrigado pela disponibilidade para a entrevista. No início deste mês estrearam “Quebra”, um novo tema, como tem sido a recepção à música?

É um tema diferente, em vários aspectos, de muitas das coisas que temos feito e que, portanto, tem causado alguma surpresa, algo que gostámos.

Esta foi a amostra do que poderemos ouvir num novo álbum? Como tem sido o processo de composição e o que podemos esperar?

Por um lado, sim, trata-se de uma amostra da sonoridade do álbum. Mas pensamos que, de certa forma, o álbum é bastante variado, possivelmente, o mais variado de todos os que já compusemos, em termos dos ambientes, dos tempos e das formas das músicas, por isso, ainda há muita coisa nova por ouvir.

Em Agosto vão ter a oportunidade de tocar no festival Bons Sons, em Tomar, que é o maior festival nacional de apoio à música 100% nacional; o que pensam deste conceito de festival, acham que é importante para a divulgação da música portuguesa?

É importante que as bandas portuguesas tenham acesso a bons espaços para tocar. O Bons Sons dá uma boa contribuição para que isso aconteça.

Uma das razões para o sucesso do Bons Sons é a sua diversidade em termos de género, com a união no cartaz a ser feita pela nacionalidade em vez de rótulos; sendo uma banda cujo género é difícil de etiquetar, apoiam este conceito ou preferem um festival de regras mais definidas na escolha das bandas?

Pensamos que há outras razões para o sucesso do Bons Sons que não são menos importantes para o seu sucesso, nomeadamente, a sua localização dentro de uma aldeia e a simpatia com que as pessoas são recebidas dentro dela. Preferimos realçar isso a discutir qual é a melhor opção.

De todos os nomes com que vão partilhar o cartaz, qual é aquele que estão mais ansiosos por ver tocar no festival, se tiverem oportunidade?

São tantos nomes e tão variados… quando lá estivermos, havemos de descobrir.

E, já agora, o que é que o vosso público em Cem Soldos vai poder esperar da vossa actuação?

O espectáculo será essencialmente constituído por uma mistura entre temas do nosso último trabalho e temas novos, que vão entrar no próximo.

Finalmente, há alguma mensagem que queiram deixar para os vossos fãs leitores da Rock N’ Heavy?

Não deixem de aparecer no Bons Sons e noutros festivais interessantes que se fazem no nosso país.