free website stats program

Entrevista com Valter Rocha Guitars

Para quem não conhece a marca “Rocha”, fale-nos um pouco sobre a sua história e sobre os instrumentos que produz. É tudo feito manualmente?

Sendo meu pai, tios e avô marceneiros de profissão, passei a minha meninice e juventude no seio da arte de fazer móveis. Após ter completado o antigo 7º ano (12º), pretendia tirar um curso de belas artes, só que fui interompido pelo serviço militar. Quando regressei entrei para outro segmento profissional da família, na venda de móveis importados. Alguns anos depois resolvi trabalhar na marcenaria. A música rock foi sempre uma “paixão” desde a juventude em que aprendi a tocar guitarra e desde então tenho participado em várias bandas. Com o aparecimento na internet de sites especializados na comercialização de todo o tipo de materiais para guitarra, e com os meus conhecimentos em trabalhar a madeira, resolvi construir uma guitarra. Após um ano de várias desistências e recomeços, lá estava a guitarra “Rocha” a rivalizar com as minhas Fender. Daí para cá tenho feito várias guitarras e baixos assim como todo o trabalho de restauros, modificações, set-ups, etc., tanto em guitarras eléctricas como acústicas, tudo feito manualmente com o auxílio das clássicas máquinas de carpintaria.

Em Portugal, provavelmente existem muito poucos construtores de instrumentos, como o Valter. Porque razão acha que tal acontece?

Primeiro, é preciso ter um patamar de conhecimentos para se conseguir fazer um instrumento com um nível profissional. Em segundo, embora tenha a qualidade das grandes marcas , mas como Portugal não tem tradição neste tipo de instrumentos, a preferência vai para as marcas americanas com grande apoio publicitário. Por conseguinte as portuguesas  não têm grande viabilidade comercial.

Como chegou ao modelo “Rocha” (quer em termos de design, como de componentes)?

O modelo ” Rocha” é uma mistura de ideias que acho interesantes em outras marcas. Há um modelo baseado na PRS e outro baseado na Peavey Wolfgang. Quanto a componentes, são de várias marcas de qualidade. Por exemplo posso colocar cravelhas grover, ponte Hipshot, pickups Seymour Duncan, etc.

15239158_1171096012966057_187144920_n

O que diferencia as Guitarras Rocha e as torna únicas das restantes?

Todas as marcas publicitariamente apresentam-se como sendo as melhores guitarras do mundo. Não quero cair nesse lugar comum, mas as “Rocha” são construídas como mandam as regras, com madeiras com mais de 40 anos, em que além das convencionais: mogno, maple, rosewood, vou incluindo madeiras endémicas com óptimos resultados tais como o cedro, a roseira e o castanho. O hardware e eléctrónica são de qualidade e os set-ups são bem feitos. Em termos de design são bonitas,  portanto têm tudo para ser uma boa guitarra.

Quem já experimentou as suas guitarras, compara-as a uma Fender ou Gibson, nomeadamente músicos bastante conhecidos, como o Rui Veloso, Tiago Pais Dias (Amor Electro), Luís Bettencourt, Miguel Ângelo, ou os Xutos e Pontapés. Qual é a sua “filosofia” na construção dos instrumentos?

Vem na sequência da pergunta anterior: madeiras de secagem natural com muitos anos, rigor nas medidas, braços confortáveis, pickups e hardware de qualidade e setups feitos com muita paciência.

O Valter usa madeiras endémicas, o que constitui um fator de valorização no instrumento. Existem algumas características particulares dessas madeiras que possam diferenciar o instrumento em si e também ajudar nas personalizações que o Valter faz? 

Já usei algumas madeiras endémicas como o cedro a roseira e o castanho (Terceirence) com excelentes resultados. Tenho-nas usado em combinação com as madeiras standart (ex.: cedro/mogno, castanho/mogno, roseira/mogno, etc.), e tenho conseguido sons bem definidos e resonantes.

15281184_1171100156298976_574652344_n 15209123_1171100722965586_1084747500_n 15239144_1171095609632764_875611725_n

Olhando para a madeira, o que se pode dizer sobre ela de forma a saber se é a ideal para construir uma guitarra?

Pegando na madeira verticalmente num ponto em que ela possa balançar e batendo nela com a outra mão (como se a bater á porta), ela tem que ter um som prolongado (quanto mais prolongado, melhor). O timbre pode variar entre o agudo e o grave e ajuda muito se for o mais leve possível.

Quais as características essenciais para um bom som de um instrumento?

Boa madeira (quanto mais velha, melhor), madeiras bem ligadas (para haver boa transferência de vibrações), ferragens, pickups e cordas de boa qualidade.

15226492_1171099282965730_282649205_n 15300634_1171099132965745_1346645759_n 15281931_1171102452965413_2043601480_n

Porque a guitarra não é só madeira, como faz com as componentes hardware e/ou eletrónica? É o Valter que escolhe e encomenda ou também podem ser a pedido e gosto do cliente? Tem peças dessas originais ou patenteadas?

O hardware (ferragens) e electrónica são da escolha do cliente se este tem preferências, ou então sugeridas por mim. Posso ser eu a comprar ou o cliente a comprar e a enviar para o meu endereço. Não tenho peças patenteadas.

15281187_1171097806299211_795393926_n 15211578_1171094092966249_866841511_n

Para além de Carpinteiro, o Valter também é músico. Como vê a música e a sua indústria em Portugal atualmente?

Na minha opinião os tempos aureos da música (pop/rock) foi entre meados de 80 ameados/finais de 90. Coincidência ou não com a obrigação de as rádios passarem maior percentagem de música portuguesa, de onde ainda duram nomes como Rui Veloso, Xutos, Paulo Gonzo, Uhf, Delfins, Gnr. Nessa altura havia uma corrida primeiro aos discos, depois CDs e os concertos eram, de certa maneira a novidade. Agora com os computadores , já quase não se vendem CDs e os concertos já não devem ser tão lucrativos, razão pela qual talvez não apareçam projectos de impacto como os anteriores. Actualmente a música que se faz, pelo menos a que passa na rádio, são quase decalcos do hiphop USA.

Qual é o próximo passo para as Guitarras Rocha? Pensa desenvolver um novo modelo ou experimentar outros instrumentos, por exemplo?

O próximo passo é fazer guitarras personalizadas de acordo com as preferências dos clientes, a melhor e mais bonita guitarra possível. Para já não tenho disponibilidade financeira para entrar numa produção em série em que cada guitarra é igual à outra, mas em fazer guitarras personalizadas em que ponho a minha criatividade em conjunto com a criatividade do cliente e em que cada guitarra seja única desde estética, madeiras, hardware, electrónica, embutidos em madrepérola, etc.

Para quem estiver interessado, como podem contactar o Valter e obter um instrumento único?

Tenho o facebook: Valter Rocha guitars, onde tenho exposto trabalhos personalizados, assim com restauros de diversos instrumentos. Mas para me contactarem é mais fácil pelo facebook pessoal: Valter Rocha ou então pelo tel.916006263. No Youtube: Valter Rocha guitars (video com os meus primeiros trabalhos).

http://https://www.facebook.com/vrochaguitars/?fref=ts