free website stats program

A primeira música “heavy metal”

“Ticket to Ride”  Lennon/McCartney

Help!, Parlophone, 1965

 

Olá!

785f6307-b346-4ab4-9dd6-b7e326068575

Hoje vamos entrar por terrenos pantanosos. Mas vai ser rápido. A música “Ticket to Ride” foi composta pelo John Lennon e creditada a Lennon/McCartney, mas para mim, o elemento mais inovador na abordagem a esta música foi o Ringo Starr, com a sua bateria em ritmo staccato*. Muita tinta correu sobre se o Ringo estaria tecnicamente nivelado com os outros três beatles. Como tantas vezes acontece, é preciso que passem décadas para se conseguir ver o génio que esteve sempre a um palmo do nosso nariz (do meu não, que não era nascida). Ao longo da minha vida, fui sendo mais apaixonada por um ou por outro dos quatro: depois de gostar do John e do George, o Ringo passou a ser o meu beatle preferido. Agora já não é outra vez, mas digo sem pestanejar que apesar de ser esquerdino, “young at heart”, sentimental e fantasioso (falaremos mais para a frente sobre uma música de influência Broadway chamada “Goodnight”), ou talvez por tudo isso, ele consegue proporcionar aos Beatles uma sonoridade de assinatura! Vou deixar que outros se pronunciem por mim quanto à técnica:

Alguns factos:

1) o John Lennon afirmou que a “Ticket to Ride” foi uma das primeiras músicas de Heavy Metal alguma vez escritas, e se nos abstrairmos da suavidade da voz principal e das harmonias vocais sempre luminosas do Paul, percebemos porquê:

2) É o Paul que toca guitarra, apesar de ser “o” baixista;

3) Os Beatles tocaram-na no último episódio a preto e branco do Ed Sullivan Show, a 12 de Setembro de 1965;

4) Se depois de ouvirem esta música ainda não estiverem apaixonados por eles, é porque têm um calhau no lugar do coração.

5) Anos depois (The Beatles, Apple Records, 1968), o Paul compôs a “Helter Skelter”. Aqui fica, só para o caso de a “Ticket to Ride” não vos ter convencido de que eles inventaram o Heavy Metal.

“We love you, Ringlets!”

*Staccato: técnica de execução instrumental em que as notas e motivos da composição musical são executados com suspensões entre eles, atribuindo-se a cada nota uma pequena fracção de tempo. Técnica de execução oposta ao legato.


Artigo por: Catarina Reis