free website stats program

Estado Islâmico reivindica autoria dos ataques de Paris

A capital francesa foi alvo na sexta-feira de múltiplos ataques, que deixaram um rasto de terror e destruição, causando a morte de pelo menos 127 pessoas e cerca de 300 feridos. O autoproclamado Estado Islâmico (EI) já reivindicou a autoria dos atentados que abalaram Paris.

«Oito irmãos munidos de explosivos perpetraram um abençoado ataque a França», divulgaram fontes do EI, citadas pelo Euronews. Segundo a declaração online, estes atos surgiram como uma forma de retaliação pela participação francesa nos raides aéreos, na Síria.

Também o Presidente da República gaulês já veio a público atribuir culpas ao EI pelos vários atentados. Num comunicado feito esta manhã, François Hollande apelou a todos os cidadãos para que mantenham «unidade e sangue-frio». Além disso, decretou três dias de luto nacional em homenagem às vítimas. O Chefe do Estado anunciou ainda o encerrar das fronteiras, bem como o fechar de portas por tempo indeterminado de espaços icónicos parisienses: Museu do Louvre e Torre Eiffel.

Entretanto, o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal confirmou que um cidadão português, de 63 anos, morreu em consequência dos atentados terroristas, que tiveram lugar em Paris. De acordo com os dados revelados, o sexagenário era taxista e estava perto do Estádio de França, na altura dos ataques.

Os múltiplos atentados desferidos em pleno coração de Paris são os piores desde os de Madrid, em 2004. Nota para o facto de a grande maioria das vítimas mortais de sexta-feira ter perecido durante o concerto dos Eagles of Death Metal, na sala Bataclan.

Texto de Filipa Santos Sousa