free website stats program

Jerry Cantrell acha que não tem velocidade para os Pantera

O guitarrista dos Alice in Chains, quando questionado sobre a possibilidade de se juntar aos Pantera numa muito debatida reunião por ocasião dos 10 anos da morte de Dimebag Darrell, disse que tocar as músicas da banda é uma tarefa fora das suas habilidades.

“Não sei, acho que não conseguia tocar tão rápido! Iria ver o concerto, adoro a banda, são excelentes e da minha própria experiência sei que nem sempre é fácil, nem dura para sempre.”

“É a música deles, têm o direito de fazer o que quiserem com ela e ninguém pode dizer nada sobre isso. Se quiserem reunir-se para tocar, eu iria vê-los!”

Concordando que os Alice in Chains deram o exemplo sobre continuidade depois de perder um membro fulcral da banda, Cantrell disse que “somos um exemplo de que podes continuar e podes fazer as coisas da forma que quiseres, pelas tuas razões e de mais ninguém”.

“Tenho ouvido falar no Zakk Wylde mais do que outra pessoa, pela sua relação com o Dimebag e os tipos dos Pantera acho que seria excelente, muito fixe mesmo. Há muitas bandas que passam por maus bocados e conseguem voltar a unir-se, é óptimo ser um porta-estandarte disso e dar alguma esperança em relação a toda essa escuridão.”

O músico ainda escolheu o seu riff favorito dos Pantera, afirmando que “É difícil! Sempre gostei do solo de “Cemetery Gates”, tem imensa vibe, mas riffs? Sou obviamente fã da “Walk”, “A New Level”, mas o riff da “Cowboys From Hell” é uma máquina! Sou fã de simplicidade e gosto das mudanças que eles fizeram, mas esse marcou-me.”