free website stats program

K.K. Downing falou sobre a possibilidade de tocar novamente com os Judas Priest: “Acho que isso nunca vai acontecer, nunca mesmo!”

K.K. Downing (ex. Judas Priest), foi recentemente entrevistado para a revista Guitar International, deixamos um baixo um excerto da entrevista:

Guitar International: Eu compreendo que tiveste as tuas razões para ter abandonado os Judas Priest, mas como é que as coisas passaram de uma tour de despedida em 2010, para tu teres abandonado a banda em 2011 e eles terem continuado?

“Eu estou contente que os Judas Priest tenham continuado. Eu tive muitas e muitas razões para não ter continuado porque eu não estava contente como as coisas estavam na altura. Eu não estava contente com a performance ao vivo da banda. Eu pensei que seria melhor; nada que os fãs não tenham notado. Para mim, Judas Priest foi sempre uma maquina de caça e isso era algo que eu gostava. Mesmo estando a ficar velho, tu ainda precisas de estar pronto a dar o teu melhor. Pessoas vinham de muito longe e pagavam muito dinheiro para nos ver por isso tu tens que dar 110% todas as noites.

Guitar International: Alguma vez considerarias fazer um concerto de reunião ou então tocares uma música ou duas em palco com os Judas Priest?

“[Risos] Não, acho que isso nunca vai acontecer, nunca mesmo! É obvio que estou muito contente pelo Richie Faulkner. Mas eu não esperaria ter alguem que tivesse tantas familiaridades comigo como a imagem e tudo mais. Se formos a ver, para os fãs pouco mudou em termos visuais.

Guitar International: Podemos contar com um álbum a solo ou vermos a colaborares como músico convidado?

“É difícil ser criativo na música. Se eu pensasse que ainda conseguiria arranjar ideias e escrever algo bom eu provavelmente ainda estaria com os Judas Priest. É difícil após 40 anos. Eu tenho muitos pedidos para tocar em álbums de outros músicos. Eu passei um mau momento com a editora Cleopatra Records, eles envolveram-me com um disco de tributo aos The Who. O produtor gravou os solos e depois pôs aleatoriamente na música. No meu sei podem ouvir as gravações originais do que toquei. Eu também participei no álbum a solo do Geoff Tate’s (Queensrÿche). Sempre tive pessoas a pedir para fazer coisas, mas eu sempre me dediquei aos Judas Priest. É espantoso ver que as pessoas ainda se lembram de mim!”

Marco António Pires

Sou amante da música em geral com gostos mais virados para o metal, mas estou sempre disposto a ouvir coisas novas!