free website stats program

Lenda do heavy-metal polaco defende os Behemoth contra a censura

Grzegorz Kupczyk, que foi vocalista dos Turbo, e formou na final da década de oitenta o seu projeto a solo CETI, veio a público defender os Behemoth, a respeito dos factos noticiados aqui. A declaração foi publicada em polaco no Facebook da banda, assim sendo pedimos desculpa, caso a nossa tradução não seja sempre exata, mas o polaco não é a língua que melhor dominamos:

«Declaração e a palavra vergonha…
Como uma pessoa homenageada pelo Presidente com a Cruz de Ouro de Mérito pelo seu extraordinário trabalho em prol da cultura quero exprimir a máxima indignação perante as autoridades da cidade de Poznan ao proibírem a banda BEHEMOTH de realizar aí um concerto, que teria lugar no clube ESKULAP. Esta decisão ataca não apenas a cultura, mas também a liberdade de expressão da arte.
Esta situação assemelha-se ao que se passava na década de oitenta do século XX, quando a proibição pela censura de qualquer manifestação artística era corriqueira,
[…]
Assim sendo, pergunto-me (…) O que virá a seguir, quem serão os próximos?
As bandas polacas de rock, hard rock e metal são mais respeitadas no estrangeiro e o mesmo se passa connosco nos CETI, isso é algo de que a minha banda é um claro exemplo. Todos juntos, cientistas polacos, artistas, jovens educados temos que aproximar a Polónia de outros países e acabar com os fundamentalismos e a ignorância, aqueles que se designam como comunistas querem decidir o que está certo e o que está errado. A nossa alma mais negra reside nestes grupos de “pessoas preocupadas”, que todos conhecemos do passado, porque eles estavam sempre de ouvidos à escuta na igreja, ontem e hoje, e sempre em primeiro lugar a cantar hossana. A alma negra pertence a covardes que proíbem o nosso direito estabelecido para procurarmos algo melhor e o mal e Satanás estão dentro deles.
Acrescento que não sou fã deste estilo musical, mas que respeito o seu nível de açao e o poder de expressão. Penso em Nergal como um homem de extrema sensibilidade e grande cultura.Grzegorz Kupczyk / CETI»