free website stats program

Rob Halford e a “emoção” de aparecer nos Simpsons

Em entrevista à estação KISW de Seattle, o vocalista dos Judas Priest, Rob Halford, falou da sua participação nos Simpsons referindo-se à  “maior emoção na vida”.

No passado dia 5 de Janeiro, o episódio dos “The Simpsons” intitulado “Steal this episode” teve a participação especial do vocalista de Judas Priest, já que viu Hommer Simpson envolvido em downloads ilegais de filmes, “obrigando” a uma investigação especial do FBI.

Durante o episódio, Homer refugia-se na embaixada da Suécia, e é quando Rob Harold, bem caracterizado, aparece a cantar uma paródia do clássico da Banda “Breaking the Law”.

Falando mais da sua experiência, Rob H. avança “Convidaram-me para uma leitura e eu disse que sim”. Durante as gravações de episódios, o vocalista refere “O episódio começa com o Homer a falar, mesmo ao meu lado. Depois a Marge e depois o Bart. Foi a experiência mais emocionante e surreal da minha vida, uma vez que sou fã dos Simpson desde o início!”. Não poupando elogios, acrescenta “foi muito muito querido. Alguns dos actores conhecem Priest. Apertámos as mãos e tiramos algumas fotografias”.

No episódio, há ainda um pequeno equívoco por parte dos produtores da Série, que se referem à banda como “Death Metal”. Essa situação, foi totalmente desculpada pelo carismático líder dos Judas Priest, como é possível perceber pelas suas palavras.

Depois da exibição do episódio, a comunidade do metal mostrou-se algo desagradada pela referência de Judas Priest a “Death Metal”. A referência foi perdoada pelo vocalista, e emendada por parte dos criadores da série, com o Bart a escrever repetidamente “Judas Priest is not death metal”, alterando a mítica cena do início dos episódios tradicionais de Simpsons.

O pormenor de Bart Simpson levou Rob Halford a dizer “O mais engraçado é que nem pensámos nisso durante o guião, e depois, no nosso facebook, vimos os nossos fãs a reclamarem com a situação. De repente, uns episódios depois, vemos o Bart no quadro a escrever aquilo (…) Não era preciso nada disso, mas é uma das razões pelas quais adoramos os Simpsons e o seu staff (…) foi muito muito, porreiro”.