free website stats program

Vales – Wilt & Rise

Em 2012, com a edição do EP Clarity, os Vales tomaram de assalto a cena de Screamo/Post-Hardcore britânica com a sua música que era pesada mas não inconsequente, sendo antes marcada por uma emoção e uma agressividade que não soariam desconhecidas a uns Touche Amore ou uns La Dispute de há uns anos.

Volvidos dois anos, com a edição do seu álbum de estreia, Wilt & Rise, a banda não amoleceu, antes pelo contrário, como se pode ver logo pela faixa de abertura, “Dead Wood”, uma combinação brilhante de raiva, melodia e emoção que conquistam desde o início e nunca aborrecem.

É difícil não reconhecer mérito a Chlo Edwards, a vocalista do grupo, que grita como se não houvesse amanhã, mas sempre com uma técnica e uma paixão irrepreensíveis, dando o toque de génio a uma banda que musicalmente também inveja, tendo um controlo impecável sobre as dinâmicas entre riffs orelhudos, sequências de Punk agressivas e momentos melódicos que fazem as suas canções impecáveis, variadas e, sobretudo, incansáveis, vendo por exemplo “Open Arms” no seu ecletismo ou a tensão claustrofóbica do instrumental “Katrina”, num dos momentos mais belos do disco.

Existem, no entanto, alguns momentos que não passam do Hardcore melódico mais genérico e não causam grande mossa, como a banal “Scripted”, mas isso esquece-se facilmente com uma recta final brilhante, marcada por “Wildfire”, cuja dinâmica entre momentos calmos e explosivos chega a trazer à memória Nirvana e a final “Waterfalls”, que em nada fica a dever a lendas do Post-Rock pelo seu controlo da melodia, mostrando a diversidade de influências dos Vales e, ao mesmo tempo, a facilidade com que as exprimem em algo “seu”.

Resumindo, Wilt & Rise pode não ser algo inovador ou inesperado, mas vem concretizar o que já se esperava: que os Vales já estão a causar mossa no Screamo britânico e que são uma das novas esperanças do género, para o expandir para terrenos que americanos como Touche Amore ou Pianos Become the Teeth já puseram num patamar mais elevado.

Análise de Jorge Martins