free website stats program

Waking Aida – Full Heal

Depois da estreia efervescente no panorama Post-Rock que foi Eschaton há pouco mais de um ano, os Waking Aida estão de volta para nos deslumbrar mais uma vez com as suas mensagens mudas de esperança e optimismo, num segundo disco desafiante.

Full Heal mostra a banda britânica numa fase de transição em que, sem escaparem à sua sonoridade típica, influenciados por artistas como Gold Panda ou pelo mais recente registo dos 65daysofstatic, decidiram tornar  seu som mais amplo com recurso a sintetizadores como ‘espinha’ das músicas, ao invés de promoverem apenas suporte como até agora.

Isto resulta em momentos fantásticos, como o single “Fume”, uma das melhores músicas Post-Rock dos últimos anos, juntando na mesma faixa com sucesso os elementos marcantes do género com algum Trip Hop e Downtempo à mistura numa experiência emocional e eclética, que é ‘aquele’ raro single que acaba por ser também dos melhores momentos de um disco.

No entanto, nas alturas em que os sintetizadores servem propósitos mais atmosféricos e nos quais assentam as guitarras, tecem-se melodias sublimes que, sem perder emoção, se distinguem do restante género por preferirem a alegria e o optimismo à catarse habitual, num registo claramente adepto da esperança e que é possível não ouvir a sorrir, ou não servissem para isso a relaxante ‘A Sort of Calm’ e a magnífica faixa-título, que não só encerra o CD de forma espectacular como se afirma como melhor faixa do mesmo.

Além destes toques de risco por parte da banda, também há músicas que soam familiares (às vezes até demais, como na monótona “Blue Shelled”), mas que encaixam na perfeição com esta nova toada dos Waking Aida, como a inicial “Exploding Palms” ou a sonhadora “Jilted Surfers”.

Desta forma, Full Heal é um regresso em boa forma dos Waking Aida pouco depois da excelente estreia, aproveitando para refinar a sua sonoridade enquanto tentam adoptar novos elementos para a mesma, conseguindo mais um registo que entra em destaque no cânone riquíssimo do Post-Rock.